7 de maio de 2016

Do pároco

Totus Tuus! Sem ti, nada!

       Mês de Maria, Maio convida-nos a ter com Nossa Senhora uma relação filial intensa, pois Nossa Senhora é verdadeiramente uma Mãe cheia de carinho e de atenção para com as muitas necessidades, preocupações, alegrias e tristezas dos seus filhos.
       Quando, no Calvário, junto de Jesus crucificado, Maria aceita o convite que lhe faz para se tornar nossa Mãe, a Virgem Santíssima aceita-o sem reservas, começando desde então a encarar todos nós com um olhar materno incondicional: bem sabe que tudo que o Filho lhe pede e deseja para os homens é sempre o melhor para eles.
       Jesus não se importa de deixar de ser o Filho único de Maria. Recordou certamente todo o cuidado educativo que a sua Mãe Lhe dispensou: o exemplo que Lhe dava, o amor com que O tratava e as muitas atenções que sempre teve para com Ele e com todos os vizinhos, amigos e familiares.
       Perante este panorama de virtude, achou por bem desprender-se duma filiação exclusiva. Considerou que Maria poderia ser para todos um caminho seguro e oportuno para os ajudar a santificar-se, com a sua intercessão incessante, o cuidado pelo bem-estar espiritual dos filhos e, enfim, tudo o que é necessário para viver o que o primeiro dos Mandamentos enuncia: amar a Deus sobre todas as coisas.
       Santa Maria passaria a ser a grande mestra das nossas relações com Deus, tornando-as mais familiares e acessíveis. Efectivamente, se Deus é Pai e está nos céus, aí temos agora – por vontade divina – também a Mãe exemplar que aproxima Deus de nós e nós de Deus duma maneira simples, com a sua intercessão e protecção maternal.
       Deus como que Se “obriga” a ouvir e a resolver de modo positivo todos os recados que a sua Mãe Lhe faz chegar. Certamente que Maria santíssima é apenas uma criatura, e não é de natureza divina. Por isso, o culto que lhe prestamos é de veneração e não de adoração, que só a Deus é devido.
       Conta-se que a mãe de uma família numerosa, querendo que o seu filhito mais novo prestasse a Nossa Senhora, durante o mês de Maio, uma devoção mais intensa, explicava-lhe que, neste mês de Maria, dada a importância da Mãe de Cristo e nossa Mãe, ela fazia anos todos os dias, pelo que o convidava a oferecer diariamente uma prenda generosa à sua Mãe do Céu.
       O rapazito protestou primeiro, parecendo-lhe um exagero que Nossa Senhora fizesse anos durante um mês inteiro, pelo que se prontificava a dar-lhe os parabéns num determinado dia de Maio. Mas só isso.
       A mãe ficou um pouco desanimada. Mas antes de voltar à carga, ouviu esta “convincente” explicação do seu filho: “Tens razão. Como Nossa Senhora é Mãe de todos os homens, se todos lhe telefonassem a dar os parabéns no mesmo dia, entupiam-se com chamadas os telefones do Céu. Está bem, dar-lhe-ei uma prendazita todos os dias”.
       E nós podemos seguir-lhe o exemplo. Quantas boas prendas não teremos para dar todos os dias, durante este mês, à nossa Mãe do Céu: trabalhar melhor e com total honestidade, não criticar ninguém, procurar ser semeador de paz e de alegria entre os meus familiares,colegas de profissão ou amigos, rezando por todos, ser generoso, também materialmente, com os pobres necessitados, etc. Nossa Senhora aumentará o seu amor por nós e sentir-se-á, no Céu, uma Mãe agradecida que falará bem de nós a Deus e a todas as pessoas que lá estão.

Sem comentários:

Enviar um comentário