4 de janeiro de 2016

Do Pároco

Começou mais um ano! Abrimos a porta à misericórdia?

Lembremo-nos de que – na nossa perspectiva de cristãos – o tempo é uma oportunidade que Deus nos dá para nos santificarmos, isto é, para que nos tornemos mais parecidos com Ele, sobretudo na prática da caridade, que é a Sua essencial característica. Diz-nos S. João: “Deus é amor”. E o Papa Francisco incita-nos a viver intensamente a misericórdia ao longo deste ano de 2016.

Para tanto, façamos um exame de consciência humilde e objectivo ao nosso coração, abrindo a porta a mudar tudo o que prejudica a nossa relação com Deus. E perguntemo-nos: amamo-Lo sobre todas as coisas? Procuramos conhecer a Sua vontade e seguimo-la no que fazemos? Andamos à volta de nós mesmos ou do que Deus nos pede? Procuramos ser Seus amigos, através da oração frequente? O que eu penso e faço no dia-a-dia reflecte a minha amizade com Cristo? Ou oculto-Lhe os meus defeitos e os meus pecados, com medo de ter de mudar?

Depois, lembremo-nos de como tratamos os outros, sem esquecer o que disse o Senhor “amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”. E não se pode caminhar nessa direcção, sem voltar a questionar: há ressentimentos que não foram bem limpos? Há supostas ofensas que ainda não perdoei incondicionalmente? O meu orgulho faz acepção de pessoas, tratando bem as que me são simpáticas e desprezando as de quem não gosto? Irrito-me com facilidade, não tentando ser mais afável? Penso nas necessidades dos outros, ou fecho-me no egoísmo, com as portas bem aferrolhadas, para que ninguém me aborreça?

Enfim, tantas coisas a pensar na presença de Deus! Tantas possibilidades de melhorar a minha conduta, se apostar em ser misericordioso como o é o nosso Pai do Céu. Inspiremo-nos em Nossa Senhora, que é verdadeiramente um modelo de amor e de entrega aos demais. A Virgem viveu a sua vida como serviço alegre, pronto e generoso a Deus e aos outros, esquecendo-se das suas necessidades, dos seus gostos, dos seus desejos.

Digamos e meditemos muitas vezes na resposta de Nossa Senhora ao arcanjo S. Gabriel: “Eis aqui a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a vossa palavra”. É este o caminho certo da misericórdia! Se nem sempre é o caminho mais fácil, aceitemos a ajuda de Nosso Senhor que terá grande alegria em deitar-nos a mão quando nos faltar a paciência ou mesmo as forças.

Papa Francisco abre a Porta Santa na Basílica de S. Pedro,
no Vaticano, no início do Ano Jubilar da Misericórdia (8-12-2015)

Sem comentários:

Enviar um comentário