5 de novembro de 2014

Do Pároco

Pode um santo não ir logo para o céu?

Beatificação de D. Álvaro del Portillo (27-X-2014)
    Neste mês de Novembro, Deus Nosso Senhor lembra-nos que a nossa vida não termina aqui nesta terra, prolonga-se na eternidade.
    Por isso, a nossa Mãe Igreja quer que nos lembremos de rezar – interceder – pelas pessoas que já partiram.
    A prioridade da nossa intercessão está nas pessoas que nos são mais próximas, ou seja, parentes próximos, parentes mais afastados, amigos, conhecidos, etc. No entanto, podemos alargar o âmbito das nossa petições a todas as pessoas que precisem da nossa oração – essas pessoas são todas as almas que estão no Purgatório.
    O que são, afinal, "as almas do Purgatório"? E para quê rezar por elas (ou – o que é o mesmo – "oferecer sufrágios")?
    As "almas do Purgatório" são as pessoas, como nós, que em vida foram fiéis a Deus – isto é, foram santas -, e a quem Jesus Cristo, logo que faleceram, lhes indicou que o seu destino último seria o Céu, mas tendo primeiro de purificar-se porque algumas suas faltas ligeiras – pecados leves – cometidos na vida terrena, ainda não estavam todos perdoados. A essa purificação final dos eleitos também se dá o nome de Purgatório.
    Efectivamente, quando se peca, é bom arrepender-nos imediatamente da ofensa feita a Deus e pedir-Lhe perdão. Deus, que desculpa até 70x7, na linguagem misericordiosa de Cristo, nunca se cansa de perdoar. No entanto, cada falta deixa um rasto de apegamento às criaturas, que é uma consequência que precisa correcção, um pouco à maneira do que acontece quando nós, por exemplo, danificamos alguma coisa de alguém. Além de lhe pedir desculpa, temos a obrigação de devolver o que estragámos devidamente em condições.
    Deste modo, o arrependimento dá-nos o perdão de Deus quanto à culpa do pecado cometido; porém, a pena que dele decorre carece de uma purificação: oração, sacrifício, esmola generosa aos pobres, etc.
    Se, com a graça de Deus, pudermos na nossa vida terrena, purificar o nosso coração de toda a pena contraída com o pecado, a porta do Céu abrir-se-nos-á de forma imediata. De contrário, o Senhor oferece-nos essa derradeira purificação, o Purgatório, que elimine o que reste de pena.
    Repito: "as almas do Purgatório" são pessoas santas, porque Cristo já confirmou que o seu lugar é o reino dos Céus. Para que servem, então, as nossas orações, ou para quê oferecer sufrágios? Servem para, por assim dizer apressar a sua entrada na felicidade eterna. Além de que, desde o momento da sua morte, são intercessoras, pois podem solicitar de Deus as graças que Lhe pedimos por seu intermédio.
    Recorremos a Maria Santíssima neste mês e dizemos-lhe que, já que é Mãe de todos os que se encontram no Purgatório, peça a seu Filho que lhes abrevie as penas e as faça entrar no Céu. Ela não deixará de nos atender.

Sem comentários:

Enviar um comentário