13 de abril de 2014

Do tesouro da Igreja

Pelo Cordeiro imolado, passamos da morte à vida (*)

Ficai sabendo, caríssimos: o mistério pascal é um mistério antigo e novo, transitório e eterno, corruptível e incorruptível, mortal e imortal.

É mistério antigo em relação à Lei, novo em relação à Palavra encarnada; é transitório na sua figura, eterno pela graça; é corruptível pela imolação do cordeiro, incorruptível pela vida do Senhor; é mortal pela sua sepultura na terra, imortal pela sua ressurreição entre os mortos.

A Lei é antiga, mas a Palavra é nova; a figura é transitória, mas a graça é eterna; corruptível o cordeiro, incorruptível o Senhor, que foi imolado como cordeiro, mas ressuscitou como Deus.

Na verdade, era como ovelha conduzida ao matadoiro, e, contudo, não era ovelha, era como cordeiro sem voz e no entanto não era cordeiro. Com efeito, passou a figura e apareceu a realidade perfeita: em vez de um cordeiro, Deus; em vez de uma ovelha, o homem; no homem, porém, apareceu Cristo que tudo abrange.

(...) O Senhor, sendo Deus, fez-Se homem, e tendo sofrido em vez do enfermo, tendo sido encarcerado em vez do prisioneiro, tendo sido condenado em vez do criminoso, e sepultado em vez do que jazia no sepulcro, ressuscitou dos mortos e exclamou com voz poderosa: Quem ousará condenar-Me? Aproxime-se de Mim. Eu sou Cristo, Aquele que destruiu a morte, que venceu o inimigo, que calcou aos pés o inferno, que pôs em cadeias o violento, e que arrebatou o homem para  as alturas dos Céus: Eu sou Cristo.

Vinde, portanto, todas as nações da terra oprimidas pelo crime e recebei a remissão dos pecados. Eu sou o vosso perdão, a Páscoa da salvação, o cordeiro por vós imolado, a água que vos purifica, a vossa vida, a vossa ressurreição, a vossa luz, a vossa salvação, o vosso rei. Eu vos elevarei até às alturas dos Céus; Eu vos ressuscitarei e vos mostrarei o Pai que está nos Céus; Eu vos exaltarei pela minha mão direita.
.......................................................
(*) Da Homilia de Melitão de Sardes, Bispo, sobre a Páscoa. (Cap. 2-7, 1000-103; SC123, 60-64,120-122).

Sem comentários:

Enviar um comentário