13 de abril de 2014

Ausências de sacerdotes no mês de Abril

P. João Paulo Campos: de dia 21, 2ª Feira a dia 27, Domingo - Retiro anual

P. Carlos Santamaria:             “              “            “              “               “        “

Catequese

O calendário catequético obedece ao Ano Escolar, pelo que não haverá Catequese desde o dia 5 ao 21 deste mês. Recomeço das aulas: apartir do dia 22, 3ª Feira.

AGRUPAMENTO Nº 683 DE TELHEIRAS - Actividades neste mês

Dias 5 e 6: 
Lobitos – A Alcateia realiza em Mafra a sua actividade de PÁSCOA com o tema “Lobito não tenhas medo”;
Exploradores e Pioneiros –Actividade Field Day 2014 no Centro Escutista de Salir do Porto

Dias 23 a 27: Caminheiros – Em Estrasburgo decorrerá o “Agora 2014”, subordinado ao tema “Participation +”. Estará presente o nosso caminheiro José Miguel Pinto, que foi um dos seleccionados para representar o Corpo Nacional de Escutas

Fotos e frases do Papa Francisco

Papa Francisco a confessar-se
Somos todos pecadores. Mas Deus nos cura com uma abundância de graça, misericórdia e ternura.
* * *
Os teus pecados são grandes? Diz ao Senhor: Perdoai-me, ajudai-me a levantar, transformai o meu coração!
* * *
Não tenham medo de pedir perdão a Deus. Ele nunca se cansa de nos perdoar. Deus é pura misericórdia.
* * *
Como é belo o olhar de Jesus posto sobre nós! Quanta ternura! Não percamos jamais a confiança na paciente misericórdia de Deus!
* * *
Aprendamos de Jesus a rezar, a perdoar, a semear paz, a estar junto de quem precisa
* * *
A misericórdia é a verdadeira força que pode salvar o homem e o mundo do pecado e do mal.
* * *
Queridos jovens, não tenhais medo de dar passos definitivos na vida. Tende confiança! O Senhor não vos deixa sozinhos.
* * *
Obrigado por todas as manifestações de carinho no aniversário de pontificado. Por favor, continuai a rezar por mim

Do pároco

Obrigado, Senhor D. José

Pe. Rui e Pe. João recebem D. José Policarpo na paróquia
      É sempre difícil dizer adeus para sempre – ou “até ao céu” - a uma pessoa das nossas relações, com quem convivemos, tratámos e de quem recebemos alento e boa amizade.

    Inesperadamente, vimos partir o Senhor Cardeal, D. José da Cruz Policarpo, Patriarca Emérito de Lisboa, que o Senhor, na sua sabedoria infinita e na sua infinita misericórdia, quis chamar para junto de Si, depois de uma vida de entrega à Igreja e, de um modo particular, à Igreja de Lisboa.

      Todos estamos muito agradecidos pela sua figura recta e sabedora, que procurou realizar as tarefas que Deus lhe cometeu com extrema dedicação e com espírito de abertura para todos os que procuravam a sua autoridade e o seu conselho.

      A nossa paróquia começou por sua iniciativa, a fim de que a mensagem de Cristo pudesse chegar com mais facilidade a uma zona de Lisboa que tinha crescido populacionalmente, em pouco mais de duas décadas, dum modo muito rápido e notório. Por esta razão, Telheiras deve estar-lhe particularmente grata.

     Era uma pessoa que sabia expor as suas ideias e respeitar os que o procuravam, duma forma clara e simples. Amigo da iniciativa e da liberdade, acolhia com simpatia as propostas que se lhe ofereciam, sem deixar de dar, sempre que necessário, a sua opinião com franqueza e objectividade. 

      Quanto lhe deve o Patriarcado de Lisboa, eis um juízo que não se pode neste momento concretizar, sob pena de se ficar aquém em tudo o que ele pôde construir para o bem desta parte do povo de Deus que o Senhor lhe quis confiar. 

      Mas a certeza de que o conduziu com altura e abnegação, própria de um sucessor dos apóstolos, eis o que não pode deixar de se afirmar com alegria e reconhecimento. 

        Da outra vida, mais próximo de Deus a Quem tudo quis entregar aqui na terra, certamente que a sua intercessão por todos os fiéis do “seu” Patriarcado será uma mais valia muito grande para a nossa vida cristã.

       Por tudo isto, Senhor Cardeal D. José da Cruz Policarpo, o nosso muito e muito obrigado!

Cursos e outros eventos no mês de Abril

De Preparação para o Crisma (Orientação: P. Rui Rosas) Aulas: 4ªs Feiras, 19.15h. Aulas nos dias 09 e 23.
Teologia para todos (Orientação: P. João Campos) Aulas: 5ªs Feiras 
Dia 3, 5ª F., 19.15h ou 21.30h. Tema: A História e a Igreja.
Sessão sobre o Santo Sudário de Turim (Orientação: P. João Campos) Dia 13, Domingo, 16h.

Recolecções mensais neste mês de Abril

3ª Feira, Dia 08: Homens - 19.10h; 

5ª Feira, Dia 10: Senhoras - 19.10h.

Dar a quem precisa

          Como é já tradicional nesta quadra do ano, serão beneficiadas cerca de 50 famílias com o FOLAR DA PÁSCOA. Com ele, procura proporcionar-se a quem precisa um certo conforto na vivência da Páscoa. Assim, haverá distribuição de roupas, a 15, 3ª Feira e de géneros alimentícios a 16, 4ª Feira. As dádivas, em roupas, géneros alimentícios ou dinheiro dos paroquianos e das pessoas amigas que queiram participar nesta acção sócio-caritativa, podem ser entregues até Domingo, dia 13. E desde já, muito obrigado.

Semana Santa na paróquia de Telheiras - Abril 2014

Dia 13, Domingo – Domingo de Ramos na Paixão do Senhor (Começo da Semana Santa): Haverá Bênção dos Ramos nas Missas das 10.00h e 19.00h; Procissão de Ramos na Missa das 12.00h. 

a) Tríduo Pascal

Dia 17, 5ª Feira Santa 
Durante a manhã: A Igreja estará fechada. Não haverá a habitual Missa das 12.15h. Convida-se todos os paroquianos que o desejarem e possam a participar na Missa Crismal, presidida pelo Senhor Patriarca, na Sé de Lisboa, às 10.00h
De tarde. A Igreja abre às 16.00h. Confissões: a partir desta hora até ao fim da Adoração do Santíssimo Corpo do Senhor.
19.00h – Missa Vespertina da Ceia do Senhor. Depois até às 23.00h: Adoração do Santíssimo Corpo do Senhor. 
23.00h – Fecho da Igreja.

Dia 18, 6ª Feira Santa 
De manhã: 10.00h-12.30h: Adoração do Santíssimo Corpo do Senhor; Confissões. Fecho da Igreja.
De tarde:
15.30h – Abertura da Igreja. Confissões a partir desta hora até ao fim da Celebração da Paixão do Senhor.
16.00h – Celebração da Paixão do Senhor.
No final desta Celebração: Fecho da Igreja.

Dia 19, Sábado Santo 
15.30h – Abertura da Igreja. Confissões até às 18.30h. A esta hora – Fecho da Igreja.
22.00h – Vigília Pascal. Nesta celebração inclui-se a administração dos Sacramentos da Iniciação Cristã a um dos catecúmenos preparados na nossa Paróquia.

b) Dia 20, Domingo de Páscoa:
Missas: 10.00h, 12.00h e 19.00h. De tarde: Visita e bênção das casas dos paroquianos que o desejarem, a realizar da parte da tarde, mediante inscrição prévia.

Obs. – A partir de 5ª Feira Santa, excepção feita à hora das cerimónias, procuraremos que, sempre que  a Igreja esteja aberta, haja dois sacerdotes nos confessionários.

Do tesouro da Igreja

Pelo Cordeiro imolado, passamos da morte à vida (*)

Ficai sabendo, caríssimos: o mistério pascal é um mistério antigo e novo, transitório e eterno, corruptível e incorruptível, mortal e imortal.

É mistério antigo em relação à Lei, novo em relação à Palavra encarnada; é transitório na sua figura, eterno pela graça; é corruptível pela imolação do cordeiro, incorruptível pela vida do Senhor; é mortal pela sua sepultura na terra, imortal pela sua ressurreição entre os mortos.

A Lei é antiga, mas a Palavra é nova; a figura é transitória, mas a graça é eterna; corruptível o cordeiro, incorruptível o Senhor, que foi imolado como cordeiro, mas ressuscitou como Deus.

Na verdade, era como ovelha conduzida ao matadoiro, e, contudo, não era ovelha, era como cordeiro sem voz e no entanto não era cordeiro. Com efeito, passou a figura e apareceu a realidade perfeita: em vez de um cordeiro, Deus; em vez de uma ovelha, o homem; no homem, porém, apareceu Cristo que tudo abrange.

(...) O Senhor, sendo Deus, fez-Se homem, e tendo sofrido em vez do enfermo, tendo sido encarcerado em vez do prisioneiro, tendo sido condenado em vez do criminoso, e sepultado em vez do que jazia no sepulcro, ressuscitou dos mortos e exclamou com voz poderosa: Quem ousará condenar-Me? Aproxime-se de Mim. Eu sou Cristo, Aquele que destruiu a morte, que venceu o inimigo, que calcou aos pés o inferno, que pôs em cadeias o violento, e que arrebatou o homem para  as alturas dos Céus: Eu sou Cristo.

Vinde, portanto, todas as nações da terra oprimidas pelo crime e recebei a remissão dos pecados. Eu sou o vosso perdão, a Páscoa da salvação, o cordeiro por vós imolado, a água que vos purifica, a vossa vida, a vossa ressurreição, a vossa luz, a vossa salvação, o vosso rei. Eu vos elevarei até às alturas dos Céus; Eu vos ressuscitarei e vos mostrarei o Pai que está nos Céus; Eu vos exaltarei pela minha mão direita.
.......................................................
(*) Da Homilia de Melitão de Sardes, Bispo, sobre a Páscoa. (Cap. 2-7, 1000-103; SC123, 60-64,120-122).