1 de fevereiro de 2011

Sobre a Apresentação do Menino Jesus no Templo (Nossa Senhora das Candeias)

Quarenta dias depois do nascimento, e de acordo com a Lei de Moisés (Êx 13, 11-13), Maria leva o Menino ao Templo, a fim de ser oferecido ao Senhor. Toda a oferta implica uma renúncia. Por isso, a apresentação do Senhor não é um mistério gozoso, mas doloroso. Começa nesse dia o mistério do sofrimento, que atingirá o seu ponto culminante no Calvário, quando Jesus, que não foi “poupado” pelo Pai, oferecer o Seu Sangue como sinal da nova e definitiva Aliança. Ao oferecer Jesus, Maria oferece-se também com Ele. Durante toda a vida de Jesus, estará ao lado do Filho, dando a Sua colaboração para a obra da Redenção.

O gesto de Maria, que “oferece”, traduz-se em gesto litúrgico, quando ao celebrarmos a Eucaristia, oferecemos os “frutos da terra e do trabalho do homem”, símbolo da nossa vida.

O sacerdote, no início, saúda a assembleia, como habitualmente, e, em seguida, para convidar os fiéis a celebrarem activa e conscientemente o rito desta festa.

Caríssimos irmãos: Foi com muita alegria que celebrámos, há quarenta dias, o Natal do Senhor. Hoje, recordamos o dia feliz em que Jesus foi apresentado no Templo, exteriormente como quem cumpria a lei moisaica, na verdade, porém, como quem ia ao encontro do seu povo fiel. Levados pelo Espírito Santo, foram ao Templo aqueles dois santos anciãos, Simeão e Ana, e, iluminados pelo mesmo Espírito, reconheceram o Senhor e confessaram-nO com entusiasmo. Também nós, aqui reunidos pelo Espírito Santo, caminhemos para a casa de Deus ao encontro de Cristo. Encontrá-Lo-emos na fracção do pão, enquanto aguardamos a sua vinda gloriosa. (In Missal Quotidiano, Ed. Theologica, Braga, 1989, pp. 1748-9)

Escreve um Bispo santo (S. Sofrónio): “Assim como a Virgem Mãe de Deus levou ao colo a luz verdadeira e a comunicou àqueles que jaziam nas trevas, assim também nós, iluminados pelo fulgor e trazendo na mão uma luz que brilha diante de todos, devemos correr, pressurosos, ao encontro d’Aquele que é a verdadeira luz.

Na verdade, a luz veio ao mundo, e, dispersando as trevas que o envolviam, encheu-o de esplendor; visitou-nos do alto o Sol nascente e derramou a sua luz sobre os que se encontravam nas trevas: este é o significado do mistério que hoje celebramos. Caminhando, empunhando as lâmpadas, acorramos trazendo as luzes, não só para indicar que a luz refulge já em nós, mas também para anunciar o esplendor maior que dela nos há-de vir.

Eis que veio a luz verdadeira, que ilumina todo o homem que vem a este mundo. Todos nós, portanto, irmãos, deixemo-nos iluminar, para que brilhe em nós esta luz verdadeira”. (In Liturgia das Horas, 2 de Fevereiro, 2ª Leitura).

NOTA: no próximo dia 2 de Fevereiro, 4ª feira, Festa da Apresentação do Menino Jesus no Templo, far-se-á uma pequena procissão em honra de Nossa Senhora das Candeias no interior da Igreja, durante a Missa das 18h30. Os pais poderão trazer os seus filhos para receberem uma bênção.

Sem comentários:

Enviar um comentário