1 de fevereiro de 2010

Do Pároco

O segundo mês do calendário litúrgico, o mês de Fevereiro, assinala, como data fundamental para a nossa piedade, o dia 17, 4ª Feira de Cinzas. Principia a Quaresma, tempo de expectativa e de preparação da Páscoa, que neste ano calha a 4 de Abril.

É certamente um período em que devemos estar mais atentos à penitência e à oração. A Páscoa assinala-nos a gloriosa Ressurreição de Jesus. Mas para que ela se realizasse, foi preciso primeiro que Nosso Senhor tivesse oferecido a sua vida, por todos e cada um de nós, no doloroso sacrifício da Cruz.

Deste modo, não podemos viver os acontecimentos alegres do domingo de Páscoa, sem primeiro termos experimentado, com Jesus, as dores do Calvário, onde nos encontraremos bem acompanhados por Maria, que passa a ser, pouco antes da morte do seu Filho, nossa Mãe.

Ora, as situações difíceis da vida, são bem aproveitadas por nós, quando sabemos suportar as suas agruras, pedindo a Deus ajuda para as aceitarmos como uma participação mais estreita no sacrifício de Jesus. Daí a necessidade da penitência e da oração.

A primeira leva-nos a arrepender do mal que fazemos, pedindo perdão ao Senhor; a segunda, familiariza-nos no diálogo com Cristo, sabendo o que Ele nos pede e como devemos fazer a sua vontade. No final, nasce a alegria de sermos seus discípulos, porque n’Ele, com Ele e por Ele descobriremos a paz e a alegria verdadeiras.

Para que a nossa relação com Deus não conheça muitas interrupções ao longo dia a dia, a Igreja propõe-nos muitas sugestões extremamente apelativas, que a sua enorme tradição foi concretizando ao longo dos tempos. Uma entre muitas, muito simples e acessível, consiste no convite que nos faz de dedicarmos cada dia da semana a uma devoção concreta. Fixando nela a nossa atenção e o nosso esforço, poderemos dialogar melhor com Deus.

Assim, aos domingos, dia do Senhor, podemos louvar com mais intensidade a Santíssima Trindade, cobrindo as nossas horas e os nossos passos com jaculatórias ao Deus Uno e Trino. Por exemplo: Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo...; ou então: Deus Pai protegei-me; Deus Filho auxiliai-me; Deus Espírito Santo iluminai-me.

Às 2ªs Feiras, como dever de caridade, recordaremos de um modo especial as almas do Purgatório. Começando por aquelas por quem temos mais obrigação de pedir, a nossa oração cobrirá todas. "Dai-lhes, Senhor, o eterno descanso..."

Os Anjos da Guarda ocuparão a nossa atenção devota nas 3ªs Feiras. Esse ajudante precioso que Deus nos dá, lembrar-nos-á a singela oração que aprendemos em crianças: "Anjo da Guarda, minha companhia...". Tentaremos cumprimentar o anjo de cada pessoa com quem falarmos e o nosso, que não deve ficar esquecido.

S. José, o santo do silêncio e da disponibilidade para cumprir sem regateios a vontade de Deus, poderá tranformar-se no centro da nossa devoção nas 4ªs Feiras. Faremos um propósito de só opinarmos se for absolutamente necessário e não protestaremos perante as contrariedades, contando com o auxílio do marido de Nossa Senhora.

Nas 5ªs Feiras, estará presente o nosso amor à Eucaristia. Quantas comunhões espirituais seremos capazes de dizer ao Senhor, com que amor nos abeiraremos do Santíssimo Sacramento e leremos a cena evangélica da sua instituição, na 5ª Feira Santa.

Às 6ªs, a Paixão e Morte do Senhor serão o fulcro dos nossos pensamentos e das nossas relações com Deus. Queremos estar com Maria no Calvário, seremos mais mortificados na imaginação, nos sentidos, não sairemos duma refeição sem termos feito um sacrifício que nos custe e faremos o propósito de aceitar as humilhações desse dia de forma calada e discreta.

Honrámos até agora a Trindade, o Filho na Eucaristia e no Calvário, os anjos da guarda, S. José e pedimos pelas almas do Purgatório. Falta-nos recordar que, na agonia da Cruz, Cristo pediu e aceitou da Virgem Santíssima a nossa maternidade. Não sejamos filhos distraídos em relação a este bem explêndido com que o Senhor nos quis presentear. Nossa Senhora, medianeira de todas as graças, é nossa Mãe. Dediquemos-lhe este dia da semana, rezando melhor o Terço e tantas outras orações. Maria deve tornar-se senhora dos nossos sábados.

Imagem: No Jardim das Oliveiras

1 comentário:

  1. seu texto e muito elucidativo mas gostava que fosse mais profundo para entender seu raciocinio sacerdotal feliz semana que o SENHOR O ABENÇOE

    ResponderEliminar