1 de janeiro de 2010

O prestígio profissional

Quando Jesus voltou a Nazaré, depois de ter iniciado a sua vida pública, entrou na Sinagoga e foi-Lhe dado um texto para ler. Depois de o ter lido sentou-Se afirmando que aquele texto se cumpria naquele momento. As pessoas que O escutavam na Sinagoga davam testemunho d’Ele umas às outras (cf. Lc 4,22).

Ao longo de trinta anos, aqueles homens e aquelas mulheres tinham sido testemunhas da sua vida de trabalho e de serviço abnegado aos outros. Jesus, o artesão (cf. Mc 6,3), ou o Filho do artesão (cf. Mt 13,55), tinha sido exemplar na execução do seu trabalho. Não Se limitava a cumprir mas procurava exceder-Se nas suas obrigações.

O seu modo de trabalhar reflectia-se também na pregação: as multidões ficavam admiradas com a sua sabedoria e encantadas com a sua doutrina (cf. Mt 7,28). E até a delicadeza com que realizava os milagres, sem expor os miraculados à vergonha e sem Se exibir como taumaturgo, provocava o comentário: «Fez tudo bem» (Mc 7,37).

O cristão deve imitar Cristo na perfeição com que realiza o seu trabalho. São Josemaria costumava dizer que o prestígio profissional é o nosso «anzol de pescadores». Isto quer dizer que a recristianização da sociedade depende da graça de Deus com a qual "colaboramos" também com a categoria do nosso desempenho profissional. Devemos ter prestígio sem pretender que nos admirem: «que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus» (Mt 5,16).

O mundo admira o espectáculo mas converte-se com o serviço escondido e silencioso. Se o nosso trabalho é feito com amor a Deus e com amor aos homens, há-de ter necessariamente perfeição humana, acabamento, atenção e cuidado dos pormenores, ordem, pontualidade, discrição e o exercício das virtudes cristãs: a justiça que não permite o prejuízo do mais débil, a amabilidade para com aqueles que são mais incómodos e inoportunos, o estudo para prever e para melhorar e a persistência perante os obstáculos que nunca faltam. Esta é uma grande tarefa que nos espera neste milénio.

Sem comentários:

Enviar um comentário