5 de abril de 2009

A Bênção

«Bênção» procede do latim benedictio, do verbo benedico, «bendigo», «digo algo de bom», «digo algo a favor de alguém», «louvo». Quando aquele que «diz» é um homem a sua bênção deve aplicar-se sempre ao que é verdadeiro: não posso louvar o que é mau e vergonhoso, o que é desonesto. O homem deve bendizer sobretudo Deus.

Mas a bênção tem outro significado quando aquele que «diz», aquele que fala, tem algum poder, alguma autoridade. Neste caso «benzer» ou «abençoar» é derramar o bem sobre outro, invocar para ele o bem, protegê-lo, ajudá-lo, rodeá-lo do favor. É isto que sucede quando quem abençoa é Deus.

Assim quando nós abençoamos os alimentos que vamos tomar louvamos a Deus por nos ter dado tais alimentos. Quando nos benzemos invocamos a protecção de Deus e a sua ajuda sobre nós. Ambas as coisas são compatíveis no mesmo momento, por exemplo quando abençoamos as refeições.

A bênção adquire maior solenidade quando pedimos a Deus que nos abençoe através de um seu ministro. Isso sucede sobretudo na Bênção de despedida da Santa Missa, e na Bênção que o sacerdote dá com o próprio Senhor no Santíssimo Sacramento da Eucaristia, fora da Missa.

Mas mesmo sem tanta solenidade é comum que os cristãos peçam aos ministros da Igreja bênçãos para si mesmos, para os seus filhos, para alguns objectos particularmente queridos – instrumentos de trabalho (um automóvel, por exemplo), objectos de piedade (um rosário mariano, por exemplo, ou um crucifixo) – e, de um modo especial, para a própria casa, lugar do seu repouso e da sua vida familiar, do seu encontro com Deus, com os outros e consigo mesmo: o seu lugar, neste peregrinar sobre a terra. Por isso é costume que benza a casa como sinal da protecção e da ajuda de Deus sobre uma família.

Mas não será isto superstição? Perante tal suspeita basta pensar que a bênção é acompanhada com o gesto de traçar uma cruz no ar. Deus abençoa sempre com a Cruz. A protecção não significa ausência de dores ou de dificuldades mas a ajuda para as suportar como Jesus na Cruz.

Sem comentários:

Enviar um comentário