1 de novembro de 2008

O martírio de Santo Inácio de Antioquia

Inácio foi o sucessor de Pedro no governo da Igreja de Antioquia (a grande cidade da província da Síria no tempo do Império. Condenado às feras, foi conduzido a Roma e aí martirizado no ano 107, sendo imperador Trajano. Durante a viagem escreveu sete cartas a várias igrejas das quais seleccionamos aquela que dirigiu aos fiéis de Roma.

«Escrevo a todas as Igrejas e asseguro a todas elas que estou disposto a morrer de bom grado por Deus, se vós não o impedirdes. Peço-vos que não manifesteis por mim uma benevolência inoportuna. Deixai-me ser pasto das feras, pelas quais poderei chegar à posse de Deus. Sou trigo de Deus e devo ser moído pelos dentes das feras, para me transformar em pão limpo de Cristo. Rezai por mim a Cristo, para que, por meio desses instrumentos, eu seja sacrifício para Deus.

Para nada me serviriam os prazeres do mundo ou os reinos deste século. Prefiro morrer em Cristo Jesus a reinar sobre todos os confins da terra. Procuro Aquele que morreu por nós; quero Aquele que ressuscitou por nossa causa. Estou prestes a nascer. Tende piedade de mim, irmãos. Não me impeçais de viver, não queirais que eu morra. Não me entregueis ao mundo, a mim que desejo ser de Deus, nem penseis seduzir-me com coisas terrenas. Deixai-me alcançar a luz pura. Quando lá chegar serei verdadeiramente um homem. Deixai-me ser imitador da paixão do meu Deus. Se alguém O possuir, compreenderá o que quero e terá compaixão de mim, por conhecer a ânsia que me atormenta.»

(SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA, Ep. ad Romanos, 4,1-2)

Sem comentários:

Enviar um comentário