1 de novembro de 2008

A devoção às Almas do Purgatório

Sabemos que a alma que se separa do corpo não morre. Ela permanece viva. Mas que tipo de vida é que pode ela ter fora do corpo? A nossa alma está feita para um corpo e por isso esse estado de separação é violento para ela, ou seja, faz violência à própria natureza humana.

Sabemos que as almas são imediatamente julgadas e que o juízo é definitivo, ou de salvação ou de condenação. Mas aquelas que se salvam podem ter imediatamente uma vida feliz, misteriosa para nós, uma vez que ainda não receberam o seu corpo ressuscitado, ou uma vida de purgação, que é feliz e infeliz ao mesmo tempo.

Sabemos enfim que essas almas que se purgam, que ainda não podem ter uma vida plenamente feliz, são felizes porque sabem, sem temor de se enganar, que o seu estado é passageiro e que acabarão por gozar da felicidade plena, e são infelizes porque a sua visão não é a de Deus no Céu, como poderia ser já, se não tivessem pecado.

A devoção pelas Almas do Purgatório é uma comunhão com a sua dor e com a sua alegria. Alegramo-nos com elas pela esperança. Elas, ao contrário de nós, não esperam com imperfeição, mas com perfeição. Esperam aquilo que sabem que receberão com certeza. Que grande felicidade saber que se conseguiu o sumo Bem, mesmo que ainda não se possua! Estão mais acima de nós nesse ponto. Nós ainda podemos atraiçoar o Senhor. A nossa esperança não é tão perfeita, porque admite alguma incerteza e o temor de ofender a Deus. Elas já não O ofendem mais.

Sofremos com elas porque não vemos a Deus cara a cara, pela separação da sua presença. Que dor tão aguda que nada nesta terra se lhe pode comparar. Nós podemos sempre aliviar-nos, porque estamos no tempo, vivendo no corpo que nos distrai. Não há nada que possa fazer esquecer e aliviar a essas a pena terrível da visão dos próprios pecados e a ausência da presença beatífica de Deus. Por isso tentamos aliviá-las. Oferecemos pela sua purificação tudo o que podemos. A meditação no seu sofrimento ajuda-nos a ser muito generosos neste alívio.

Como fruto notamos uma presença mais viva do Céu em nós. Esta devoção produz, naquele que a pratica, um grande aumento da fé, porque se põe em prática aquilo em que se crê, da esperança porque se comunga da perfeita esperança dessas Almas e da caridade porque já não se pensa em si mesmo mas naqueles que sofrem.

O martírio de Santo Inácio de Antioquia

Inácio foi o sucessor de Pedro no governo da Igreja de Antioquia (a grande cidade da província da Síria no tempo do Império. Condenado às feras, foi conduzido a Roma e aí martirizado no ano 107, sendo imperador Trajano. Durante a viagem escreveu sete cartas a várias igrejas das quais seleccionamos aquela que dirigiu aos fiéis de Roma.

«Escrevo a todas as Igrejas e asseguro a todas elas que estou disposto a morrer de bom grado por Deus, se vós não o impedirdes. Peço-vos que não manifesteis por mim uma benevolência inoportuna. Deixai-me ser pasto das feras, pelas quais poderei chegar à posse de Deus. Sou trigo de Deus e devo ser moído pelos dentes das feras, para me transformar em pão limpo de Cristo. Rezai por mim a Cristo, para que, por meio desses instrumentos, eu seja sacrifício para Deus.

Para nada me serviriam os prazeres do mundo ou os reinos deste século. Prefiro morrer em Cristo Jesus a reinar sobre todos os confins da terra. Procuro Aquele que morreu por nós; quero Aquele que ressuscitou por nossa causa. Estou prestes a nascer. Tende piedade de mim, irmãos. Não me impeçais de viver, não queirais que eu morra. Não me entregueis ao mundo, a mim que desejo ser de Deus, nem penseis seduzir-me com coisas terrenas. Deixai-me alcançar a luz pura. Quando lá chegar serei verdadeiramente um homem. Deixai-me ser imitador da paixão do meu Deus. Se alguém O possuir, compreenderá o que quero e terá compaixão de mim, por conhecer a ânsia que me atormenta.»

(SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA, Ep. ad Romanos, 4,1-2)

Recolecções

2ª Feira, 3: 19.15h – Homens (Salão da Igreja)

5ª Feira, 13: 19.15h – Senhoras (Igreja)

Baptismos na nossa paróquia durante o mês de Novembro

  • Dia 8, Sábado: 12.00h – Sarah Oliveira Tavares
  • Dia 15, Sábado:
    12.00h – Daniel Peixoto Paiva
    12.45h – Afonso Maria Real Dias de Castro Braga
    16.00h – Marcelo Bueri Antero
  • Dia 29, Sábado: 16.00h – Madalena Saunders Quintaes Lopes

Anatomia da Fé Católica

Curso de Teologia para universitários: Sábados, 21.45h – Salão da Igreja

Orientação: P. José Miguel

Temas:

  • Dia 1: A Fé é credível?
  • Dia 15: Como chegamos a crer?
  • Dia 22: Como pode Deus ser Autor de livros escritos por homens?
  • Dia 29: Poderemos ter a certeza de que a Bíblia não contém erros?

Catecúmenos

Início – Dia 17, 2ª Feira, 21.30h, Salão da Igreja. Nesta sessão se apresentarão as possibilidades de horários e o número de sessões . Igualmente as diversas cerimónias de preparação dos sacramentos da Iniciação Cristã para quem os pretender receber. Orientação: P. Rui

Teologia Para todos

Orientação: P. João Campos

Tema: Baptismo e Confirmação.

Questões: Pode ir-se para o Céu sem Baptismo? As crianças também? Por que é que se deve baptizar uma criança quanto antes? Pode alguém ser baptizado à força? Ou contra a vontade dos pais? É válido o Baptismo dos protestantes? E o das Testemunhas de Jeová? Uma criança pode receber a Confirmação? Deve recebê-la antes de morrer? Um padre pode administrar o Crisma, ou tem de ser um Bispo?

Curso Bíblico sobre S. Paulo – Quem és Tu, Senhor?

Dia 20, 5ª Feira, 21.30h – Salão da Igreja

Orientação: P. José Miguel

Tema: Traços de uma biografia

Preparação para o Crisma

Dia 24, 2ª Feira, 19.15h – Salão da Igreja.

Nesta sessão se apresentarão as possibilidades de horários, o número de sessões, data do Crisma, etc. Orientação: P. Rui

Peregrinação a Fátima: 1 de Dezembro de 2008, 2ª Feira, Feriado

Continuam abertas as inscrições para a peregrinação a Fátima, que a nossa Paróquia organiza no dia 1 de Dezembro próximo, 2ª Feira, Feriado Nacional. O programa compreende: 9.00h – Partida dos autocarros para Fátima, da R. Prof. Francisco Gentil; 11.00h – Chegada a Fátima; 12.00h – Terço na Capelinha; 12.30h – Santa Missa na Capelinha; 13.30h – Almoço (para quem se inscrever) na Casa de Retiros de Nossa Senhora do Carmo; Tempo Livre: 15.30h – Via Sacra; 16.30h – Visita aos Valinhos; 17.30h – Regresso a Lisboa (Chegada prevista entre as 18.30h e as 19.00h ao local de partida).

Dedica a Igreja o mês de Novembro à devoção pelas almas. A sua realidade lembra-nos, em primeiro lugar, que a Redenção operada por Cristo foi para todos os homens de todos os tempos: anteriores a Ele, seus contemporâneos ou posteriores à sua vinda à terra.

A morte, que transporta diariamente para a outra vida nossos conhecidos, amigos, familiares e uma ingente multidão de seres humanos cuja existência desconhecemos, leva-os para a companhia daqueles que com ela se enfrentaram recentemente ou há muito tempo (anos, séculos ou mesmo milénios).

Ela é uma realidade irrecusável, que deve captar a nossa atenção, tendo sempre em conta a misericórdia infinita de Deus. Morrer não é uma desgraça, mas antes, como lembrava S. Josemaria, uma mudança de casa. E passar, se formos fiéis, para uma qualidade de morada e de vida muito mais feliz e totalmente compensadora.

Em seguida, recorda-nos que todos nós nos encontramos nas mãos de Deus. Criados para a eternidade felicíssima, devemos confiar que o seu Amor por nós, apesar das debilidades que nos acompanham, tenderá sempre para a nossa salvação. Precisamos, no entanto, como criaturas livres, de querer com toda a força da alma que ela seja alcançada, correspondendo à graça que Ele nos concede para fim tão sublime.

Neste mês, virão à nossa mente tantas pessoas que passaram, com maior ou menor proximidade, pela nossa vida. Por elas rezaremos abundantemente, solicitando de um modo especial a Maria, Mãe de Jesus e Mãe nossa, sob a invocação de Nossa Senhora da Porta do Céu, que use para com elas a mesma força intercessora das Bodas de Caná. Pedimos-lhe que tenha a mão mais rápida para abrir a porta do Céu, com a sua chave generosa e maternal, a fim de que muitos fiéis possam dar o grande salto do Purgatório para a visão beatífica de Deus durante estes trinta dias de Novembro.

Em família, tentaremos congregar todos os seus membros nestas orações de sufrágio por parentes, amigos, conhecidos, ou simplesmente, pelos filhos de Deus que ainda necessitem de que rezemos por eles. E também visitar os lugares onde se encontram sepultados os restos mortais dos nossos familiares. Connosco irá o nosso carinho, a nossa saudade e o nosso desejo de lhes prestar os bons cuidados que um filho, um familiar ou um amigo dedica a quem ama.

Estaremos particularmente atentos aos pequenos sacrifícios que devemos fazer, renunciando ao que nos apetece e é dispensável, ou dando uma boa esmola a quem a necessite. O Senhor olhará com especial enlevo pelo cumprimento dos deveres de todos os dias, vencendo a inércia ou a preguiça, cultivando a ordem nas prioridades das nossas acções e, sobretudo, passando por alto alguma pequena “ofensa” que alguém nos faça duma maneira quase inadvertida.

Por fim, poderemos ainda frequentar com mais assiduidade a Eucaristia, comungando o Corpo de Jesus com as melhores disposições. Ao tomarmos consciência de O termos realmente presente dentro de nós, falar-Lhe-emos dos nossos desejos de ver entrar muitas almas no Céu, apelando mais uma vez ao seu Amor e à sua Misericórdia.

O Senhor não nos recusará a nossa boa vontade e aceitará algum mérito que alcancemos. A sua Mãe, como a dos apóstolos Tiago e João, dir-lhe-á que gostará de ver muitas novas almas dos filhos que aceitou junto à Cruz, sentadas para sempre, à sua direita e à sua esquerda, no Reino dos Céus.

Agrupamento n. 683 CNE – Paróquia de Telheiras

No dia 1 de Novembro as diversas secções participam no “Dia do Núcleo Oriental”, ao qual pertence o nosso Agrupamento. Celebra-se nessa data o nosso Patrono, Beato Nuno de Santa Maria.Realiza em Fátima um acantonamento nos dias 29 e 30 deste mês e 1 de Dezembro, subordinado ao tema, “Viver S. Paulo”. O dia 1 de Dezembro será dedicado à participação na peregrinação paroquial.

Catequese: Reunião de Pais

Realiza-se no próximo dia 10 de Novembro, 2ª Feira, às 21.30h, no Salão da Igreja, (entrada pela R. Filipe Duarte), uma reunião com os pais dos alunos da nossa Catequese. Os pais receberão uma carta a propósito.

Cabaz do Natal

À semelhança do que temos feito nos anos anteriores, começamos desde já a aceitar as ofertas que os nossos paroquianos queiram deixar para alegrar o Natal de várias dezenas de famílias necessitadas do nosso apoio. No ano passado, socorremos cerca de quarenta lares. Precisamos, sobretudo, de géneros alimentícios que durem (massa, arroz, conservas, azeite, óleo, leite, etc.). E também solicitávamos a colaboração dos paroquianos que estivessem disponíveis para os dias da entrega dos Cabazes, 18 e 19 de Dezembro, 5ª e 6ª Feira, entre as 10.30h e as 12.00h. Teremos a participação dos pais do Colégio Planalto.