1 de novembro de 2005

Caríssimos Paroquianos e Amigos de Telheiras:

Terminou o Ano da Eucaristia no passado dia 23 de Outubro, Domingo, com o encerramento do Sínodo dos Bispos, em Roma. Espontaneamente, fizemo-nos a pergunta: o que melhorei eu, durante o ano que João Paulo II decretou, em relação a este Sacramento? A nossa consciência, que tanto deve estar aberta às solicitações do Espírito Santo, dar-nos-á a melhor resposta, sabendo que Jesus continua à nossa disposição em todos os Sacrários do mundo e sempre que nos abeiramos d'Ele, devidamente preparados, para O recebermos em Comunhão.

Com a próxima realização do ICNE (Congresso Internacional para a Nova Evangelização), entre 5 e 11 de Novembro na nossa cidade, nova interpelação nos faz o Senhor, orientados certamente pelo documento do Senhor Patriarca. Considera que na nossa vida deve haver constante relacionamento com Deus através da oração. Ela deve inspirar todas as nossas atitudes. E assim dar-nos-á a intimidade de que necessitamos com Deus, a fim de que nos lancemos, cada um com a responsabilidade do bom cristão, num desassombrado apostolado entre as pessoas que Deus faz cruzar no nosso dia a dia. Lembremos o grito de S. Paulo: "Ai de mim se não evangelizar!"

Certamente que todo o esforço apostólico - se é que ele pode existir doutra maneira -, deverá ter consequências imediatas e palpáveis na forma como penso e como vivo. Não deve existir entre aquilo em que eu creio e o modo de me comportar uma dissociação de escândalo, mas antes uma convergência coerente, que me leve a manifestar aquilo que a Fé me ensina e me exige, a Esperança me acalenta e a Caridade a traduzir na prática da convivência com os meus irmãos. Costuma o povo dizer: "Frei Exemplo é o melhor pregador".

Mas pede ainda mais o nosso Pastor. O exercício da oração de todos os fiéis pela boa realização deste Congresso. A oração é, como observa um velho dito cristão, "a fraqueza de Deus". Como um bom Pai que nos acompanha e está ciente das necessidades de todos os seus filhos, Deus gosta que Lhe manifestemos os nossos anseios nobres e as nossas ambições generosas. Pedir pelo Congresso é usar a grande arma da eficácia para que uma realidade que só pode ter bom sucesso se Deus o conceder, alcance os objectivos que se propõe.

Mais importante, porém, do que o Congresso é a transformação das almas dos fiéis que ele consiga efectuar. Por isso, o post-Congresso deve reflectir em todos a abertura incondicional de cada um de nós à obrigatoriedade amorosa da evangelização do mundo que nos circunda.

Maria Santíssima é Regina Apostolorum, Rainha dos Apóstolos. Como se sentirá feliz no Céu, onde nos espera, se vir despertar em nós a mesma determinação evangelizadora que abrasou os apóstolos, com a vinda do Espírito Santo, no Pentecostes!

P. Rui Rosas da Silva