1 de outubro de 2005

Caríssimos Paroquianos e Amigos de Telheiras:

Com o mês de Outubro, dilui-se o clima de verão e entra-se em cheio no ano laboral. Metemo-nos, porém, na lufa-lufa bem acompanhados. Em primeiro lugar, podendo ter como pano de fundo da oração habitual todo o esforço que a nossa Mãe Igreja desenvolverá neste mês, em Roma, reflectindo profundamente sobre o valor da Eucaristia. Culmina assim o Ano da Eucaristia, que o saudoso papa João Paulo II nos legou para valorizar a nossa condição de filhos Deus.

Outubro é também o mês do Rosário em honra de Nossa Senhora. E a nossa Mãe, que em Fátima tanto instou com os três pastorinhos para que rezassem bem o seu terço quotidianamente, sem o resumirem ao mínimo e sem o atabalhoarem, para que tivessem consciência do que estavam a fazer, lança-nos a nós todos o mesmo repto. E não só pessoalmente, mas também familiarmente.

A Virgem Santíssima deseja que nós vamos desfiando as Ave Marias do seu Rosário com simplicidade, mas com compenetração. Poderá ser difícil ter presente cada palavra desta pequena oração tão singela. Ela, porém, não nos exige isso. Quer que este tempo seja um motivo para louvarmos a Deus, mantendo-nos na Sua presença com voluntariedade e amor, com constância e com perseverança.

A primeira maneira de rezar bem o Terço é querê-lo e aceitar o repto que a Mãe de Jesus lançou aos Pastorinhos na Cova da Iria. Quando os petizes se
decidiram a fazer o que Maria lhes pediu, nunca mais se esqueceram de desfiar as suas contas e de as recitar com proveito.

Ela, que é tão excelente Mãe, e que de nós fala bem - como aliás todas as boas mães dos seus filhos -, junto de Deus, pode sugerir-nos magníficas pistas para levarmos a cabo essa tarefa, quer no plano individual, quer no plano familiar.

Se a família se dispõe a tanto, Maria pedirá uma hora concreta e habitualmente fixa para o Terço, talvez depois do jantar quando todos - pais e filhos- se podem reunir. No plano mais íntimo de cada um, dir-lhe-á como que em sussurro maternal: Por que não procuras oferecer por uma intenção concreta cada mistério, pensando bem nela e em todas as suas circunstâncias? Feito isto, reza-o. E se queres melhorar a sua recitação, antes de iniciares o Pai Nosso, faz uma ligeira pausa de dois segundos e tenta, com a imaginação, centrar-te na cena que se vive em cada mistério; reviverás duma maneira intensa e atractiva a Anunciação, a bondade de Jesus em satisfazer o meu pedido nas Bodas de Caná, a Sua entrega plena na Paixão e Morte, a alegria que causou nos apóstolos a Sua Ressurreição. Se te é difícil ter em conta, duma só vez, toda a riqueza que se contém nas palavras da Ave Maria, fixa-te numa em particular e medita-a, enquanto rezas. Por exemplo, "cheia de graça". Calculas como me surpreendeu esta expressão quando a ouvi do Anjo? Já pensaste alguma vez que eu estava a receber uma mensagem divina? Posso garantir-te que se tu rezas com amor e paciência assim o Terço,compreenderás perfeitamente a razão que levou um dos últimos papas a dizer que o pior Terço é aquele que não é rezado.

Mês de Outubro, mês do Rosário. Honremos a nossa Mãe e ofereçamos os nossos Terços bem rezados pelo Sínodo de Roma sobre a Eucaristia. Assim o ano laboral iniciar- se-á mais de acordo com a presença maternal da Virgem Santíssima na nossa vida e muito unidos às intenções da Igreja. O amparo de Maria far-nos-á vencer todos os obstáculos e a força da Eucaristia tornar-nos-á melhores filhos de Deus.

P. Rui Rosas da Silva

Sem comentários:

Enviar um comentário